Seja Bem Vindo ao Estudo do Magnetismo

Você que acompanha nosso Blog e gosta das matérias aqui postadas, seja um seguidor cadastro esta ao lado da matéria, no ícone "Participar deste site". Grato! a todos.

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Passe e Magnetismo são a mesma coisa?




Estando programado o Estudo do Passe e do Magnetismo o qual realizamos anualmente em nossa cidade, enviamos os cartazes às Casas Espíritas divulgando o curso. Ao ler o cartaz, assim se expressou um companheiro espírita: passe e magnetismo não tem nada a ver um com o outro.
Ao tomar conhecimento do ocorrido, fiquei na dúvida sobre o que ele quis dizer com esta expressão e me perguntei: será que ele estudou o assunto sobre o qual ele está opinando? Para entender o que ele quis dizer é necessário saber do seu grau de conhecimento a respeito.
 Vou explicar melhor para que se possa compreender o que estou querendo comunicar.
Quando se fala em comunicação muita coisa está envolvida além das palavras, como por exemplo, os gestos, a expressão facial, a força de expressividade contida nas palavras, a entonação da voz, entre outras. Como eu não estava presente ao ocorrido, limito-me a interpretar a frase.
Todo este impasse reside no fato de que passe e magnetismo realmente são coisas diferentes. Poderíamos dizer que, quase na totalidade, os centros espíritas hoje trabalham com passe deixando de lado o grande manancial de recursos fornecidos pela ciência magnética, contida no legado deixado pelos grandes magnetizadores clássicos e sobretudo por Allan Kardec na doutrina por ele organizada no plano físico.
Passe, pode-se dizer, encerra um conjunto de técnicas utilizando a energia humana e/ou espiritual como instrumento curativo das enfermidades. O Codificador ao se referir ao assunto utilizou-se quase sempre do termo Magnetismo e o estudou na sua mais ampla acepção. Vamos encontrar, desta forma, cerca de 350 vezes a palavra “magnetismo” no conjunto das suas obras. O Magnetismo, tendo sido reduzido a simplesmente “passes” perdeu muito do seu conteúdo e do seu valor, transformando-se em prática de pequeno alcance, pois, desligado dos conceitos magnéticos se criou o bordão “não precisa estudar, basta boa vontade que os Espíritos fazem o resto”. Daí derivou-se para os passes públicos, passes extremamente rápidos, condições precárias das salas de passes, etc.
O Magnetismo abrange, além das técnicas de passes, todos os fenômenos anímicos e suas inter-relações com a cura. É uma verdadeira ciência da alma. Estes conhecimentos faziam parte da preparação dos magnetizadores e Kardec os conhecia mesmo antes do surgimento da Doutrina Espírita. Assim, Magnetismo é toda uma ciência com intensas relações com o Espiritismo como fez questão de ressaltar, o Codificador, em vários dos seus livros e na Revista Espírita. Entendido desta forma, automaticamente somos remetidos ao estudo teórico e prática, à observação, à experimentação e à pesquisa, contribuindo para a qualidade do trabalho de tratamento espírita e melhorando enormemente o seu alcance e eficiência.
Se o companheiro em questão, autor da fatídica frase, conhece acerca do que relatei, então ele tem toda a razão.
Mas será que foi esta a sua intenção? Ou será que ele quis apenas afirmar que para aplicar passes não precisa estudar magnetismo? Eu não sei se foi este o seu propósito, mas infelizmente, muita gente por aí ainda pensa assim. Isto prova o quanto a Doutrina Espírita é pouco estudada, especialmente as valiosas obras da Codificação. Daí o estreito aproveitamento dos imensos recursos oferecidos pelo Magnetismo para sanar e aliviar uma imensidade de problemas orgânicos, mentais, emocionais e obsessivos que a humanidade enfrenta. A automagnetização, por exemplo, tão pouco utilizada em benefício da própria saúde, o uso da água magnetizada, não só através da ingestão, mas do uso externo, a potencialização de medicamentos, o auxílio nas transfusões de órgãos, além de uma infinidade de outras formas que podem proporcionar ajuda a quem precisa.
Compreendemos que a Doutrina Espírita não terminou em Allan Kardec, mas estudemos o que ele tem para nos dizer pois é um manancial gigantesco de sabedoria, lucidez, segurança e confiabilidade nos ensinos transmitidos.
                                                                                              Adilson Mota/SE
Postar um comentário