Seja Bem Vindo ao Estudo do Magnetismo

Você que acompanha nosso Blog e gosta das matérias aqui postadas, seja um seguidor cadastro esta ao lado da matéria, no ícone "Participar deste site". Grato! a todos.

segunda-feira, 14 de maio de 2012

DEPRESSÃO – parte 4 – O Uso do Magnetismo


A despeito de tudo, a grande e saborosa verdade é que podemos esperar muito da ação positiva dos fluidos sobre os males humanos. O Magnetismo ainda será resgatado, não por interesses subalternos, mas por tratar da camada profunda do ser, levando ao Espírito as possibilidades de superação e vitórias, sem tantos desesperos e equívocos vitais.
Também é valioso salientar que, embora não sendo panacéia, pois que não se pode dizer que qualquer magnetizador esteja habilitado para tratar qualquer tipo de problema, o Magnetismo, de certa, forma, se presta a tratar de praticamente todos os problemas físicos, psíquicos e perispirituais, lógico que a depender de uma série de circunstâncias e circunstantes.
Apresso-me em dizer que ainda é muito restrito o domínio que se tem sobre determinadas doenças com terapia bem definida pelo Magnetismo. Apesar do caráter de longa antiguidade dessa ciência, ela sempre foi perseguida e violentamente ridicularizada por seus opositores e, para complicar mais ainda, também foi ineficiente e continuadamente mal estudada e mal pesquisada por seus simpatizantes e praticantes. Tudo isso favoreceu a que se mantivesse, como persiste até os dias atuais, num quadro por demais desfavorável para que, como ciência, ela se impusesse.
Por vezes, o Magnetismo era maldosamente associado às bruxarias e rituais de magia negra; outras vezes, indicado como arma demoníaca; ainda é visto como um mero indutor psicológico, sem efeito prático real e, por muito tempo, foi considerado prática ilegal de Medicina, o que sempre foi um absurdo, pois se o Magnetismo cura, era para a Medicina estudar-lhe os princípios e não simplesmente enxotá-lo. E quase não adiantou o próprio Jesus ter sido o mais notável magnetizador que este planeta já viu, pois até mesmo as religiões duvidam de Suas palavras, posto que Ele disse que seríamos capazes de fazer tudo o que Ele fazia e até mais, desde que o quiséssemos; mas quando nos colocamos a fazer o que Ele nos sugeriu e ensinou, a gritaria dessa mesma religiosidade é ensurdecedora.
A despeito de tudo, o Magnetismo vem caminhando, lenta, mas progressivamente.

A Ação do Magnetismo

Funcionando como a luz que passa pelo obturador de uma câmara fotográfica, a qual, a depender do tempo de exposição e da qualidade do filme a ser impressionado, gerará uma imagem correspondente ao que esteja diante da lente, os fluidos, dirigidos e direcionados pela força da vontade (do magnetizador), passando pelos obturadores (centros vitais) do pacientes e potencializados pelo filme (perispírito) desse último, a depender do tempo e das técnicas de doação (Magnetismo) possibilitará às estruturas vitais do paciente o registro de novas “imagens” de harmonia e saúde, as quais impressionarão as estruturas físicas e psíquicas dele rumo às mudanças em seus circuitos de funcionalidade e saúde.
Os centros vitais, recebendo novos tônicos energéticos e sendo estes promanados de uma fonte harmoniosa e consistente – em tese, os magnetizadores doam fluidos harmônicos e consistentes – deverão reagir nesse mesmo sentido, portanto, buscando manter ou recuperar a harmonia.
Sobre essa lógica fundamental observemos que outras variáveis têm valor bastante ponderável no conjunto da recuperação. As principais são: a postura do paciente (deve estar fundamentada no trinômio fé, esperança e merecimento), a vontade do magnetizador (e não apenas a boa vontade), o conhecimento das técnicas que determinarão onde, como e quanto é necessário, a complementação que servirá de manutenção do estado de alteração fluídica entre uma aplicação e outra (água fluidificada ou magnetizada) e a ação sempre indispensável do Mundo Invisível (Espíritos amigos, protetores, anjos guardiões etc.).
A força de uma emissão fluídica, o efeito de uma vontade determinada, consciente, confiante ou ainda a fé que atrai ou repulsa, a depender do que se busca com ela, são ocorrências reais, não há como negar. Entretanto, o comodismo do “não me convence” ou do “não acredito nisso” ou ainda do “isso não é científico” não apenas tolhe ações e pesquisas como cega a humanidade que sonha com o dia em que o Espírito será o verdadeiro referencial do ser.
Jacob Melo - Texto retirado do livro “A Cura da Depressão pelo Magnetismo” –– Ed. Vida e Saber
Postar um comentário