Seja Bem Vindo ao Estudo do Magnetismo

Você que acompanha nosso Blog e gosta das matérias aqui postadas, seja um seguidor cadastro esta ao lado da matéria, no ícone "Participar deste site". Grato! a todos.

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Entrevista com Jacob Melo (IRC) Parte Final


                                            Entrevista com Jacob Melo
(Autor de "O Passe - Seu Estudo, Suas Técnicas, Sua Prática")
Entrevista realizada no canal IRC Espiritismo

Quando uma pessoa que não acredita nos efeitos do passe (por exemplo, materialista) é levada a tomá-lo, os efeitos são os mesmos ou a disposição prévia e boa vontade do receptor influi nos resultados?
Jacob Melo - Influi decisivamente. Isto não quer dizer que um descrente não possa ser beneficiado, só que esta não é a regra. Observemos que a própria ciência prova que o fato de acreditarmos mais em um médico do que noutro já potencializa ou diminui os efeitos do tratamento. O que não se esperar de uma transferência tão sutil quanto a fluídica veiculada através do passe?

Já se ouviu falar de casos de morte cerebral em uma regressão na transmissão do passe. Que restrições devem ser tomadas para transmiti-lo e por que ele é tantas vezes tão perigoso?
Jacob Melo - Vamos por partes. Primeiro, não conheço nenhum caso conforme o narrado. Depois, as imposições são, por si sós, concentradoras fluídicas. Como se aplica muita imposição sobre o coronário, o passista, sendo um doador de densos fluidos magnéticos, naturalmente saturará este centro de uma maneira desequilibrante e, daí, podem advir conseqüências constrangedoras. Para se evitar tais ocorrências é que se conta com os passes dispersivos. As restrições deverão ser vencidas através do conhecimento. Para tanto, cabe às diretorias das casas espíritas fazerem regularmente treinamentos e avaliações de seu quadro de passistas.

Se eu estiver pensando mentalmente em acalmar, a distância terá mesmo influência? Qual a distância das mãos para acalmar e para excitar?
Jacob Melo - Lamentavelmente, em termos de magnetismo humano, nossa indução mental nem sempre supera a influência fluídica. No GEAK, grupo ao qual estamos ligados em Natal, temos feito pesquisas nesta área há mais de sete anos e já temos muitas evidências de que a indução mental para se obter um resultado diferente do que o magnetismo ensina não tem sido positivo. As distâncias médias consideradas são um palmo do corpo do paciente (25 centímetros, em média). Daí, em direção ao corpo, são ativantes e, em se afastando do corpo, quanto mais distantes, mais calmantes.

Como controlar a quantidade de energia aplicada?
Jacob Melo - Só a prática determina. Se você ou o passista é doador de fluidos magnéticos e está se iniciando agora na prática, recomendamos um máximo de três aplicações por sessão e uma sessão por semana. A partir daí, observe-se para saber suas reações no dia imediatamente posterior à aplicação. Havendo cansaço ou sono, insônia, ressaca e indisposições gástricas, é provável ter havido um excesso de doação ou a falta de uma aplicação técnica mais correta. Não tendo havido problema, vá aumentando a cada semana um passe até chegar ao seu limite ideal. Apesar desta resposta, seria necessária uma abordagem mais ampla para que pudéssemos entender o motivo de tantos cuidados com a aplicação do passe.

Após a doação, ocorrendo fraqueza, como recuperar as energias?
Jacob Melo - Sendo fraqueza detectada ainda no ambiente onde houve a aplicação do passe, solicite a um outro passista que lhe aplique passes dispersivos. Havendo água fluidificada, beba um pouco. No caso da fraqueza surgir no dia seguinte, evite desgastes físicos desnecessários, alimente-se de maneira mais leve que o habitual, se possível caminhe (não se trata de caminhada como exercício físico e sim como um passeio) em algum lugar onde respire ar puro e, não sendo portador de diabetes, tome água de coco. Não estamos falando das implicações e necessidades espirituais, porque acreditamos que todos sabemos do conveniente e necessário uso da oração e da conexão com o mundo espiritual superior.

O que é o "sopro" ou "insuflação quente"? E o que é a "insuflação fria"?
Jacob Melo - São as técnicas em que se usam as doações fluídico-magnéticas pelo sopro. A insuflação quente tem por característica ser extremamente ativante, enquanto que a fria normalmente é calmante e dispersiva. Em termos de aplicação, a fria é procedida como quem sopra uma vela, enquanto a quente é como um "bafo". Não se entenda, entretanto, que basta soprar para se fazer insuflação. É necessário que se tenha a disposição de exteriorização fluídica pelas vias superiores.

No passe magnético, existe realmente a relação recepção/doação através das mãos esquerda e direita?
Jacob Melo - Isto é muito comentado pela chamada escola dos polaristas. Ocorre que nem mesmo os polaristas são concordantes entre si. Por sua vez, a prática demonstra não haver maior significado na inversão das mãos, tanto é que, particularmente, nunca vi em nenhum Centro Espírita algum passista, antes de iniciar sua tarefa, perguntar se os pacientes são canhotos ou destros.

Como você compara a dieta vegetariana com a carnívora para um médium passista?
Jacob Melo - Tudo leva a crer que o vegetariano leva vantagens. Mas lembramos que, em tudo, a virtude está no meio. Se em O Livro dos Espíritos, no Novo Testamento e numa entrevista de Chico Xavier encontramos informações que não condenam definitivamente a carne, não seremos nós que o faremos. Ainda assim, não podemos concordar com o excesso de alimentação, seja vegetariana ou não. Portanto, não creio que o vegetariano, só por isso, seja melhor que o carnívoro, apesar das vantagens que ele tenha, já que todos sabemos dos inconvenientes decorrentes da dificuldade de digestão da carne animal. Um exemplo: É melhor comer um bife com moderação do que jantar meio quilo de alface, vinte tomates, quarenta cebolas e, de sobremesa, duas melancias.

Existe uma correlação tempo/efeito nos passes tipo magnético e espiritual?
Jacob Melo - Existe correlação tempo/efeito. Existe correlação passe magnético e espiritual. O tempo e o efeito tanto dependem das técnicas quanto dos passistas e dos pacientes. Os passes espirituais, a rigor, não carecem de técnicas, mas as técnicas, se bem conhecidas e aplicadas, em nada prejudicam, ao contrário, só contribuem favoravelmente. Os passes magnéticos, estes sim, precisam de conhecimentos e experiências para se alcançar uma melhor correlação tempo/efeito.
Jacob, existe alguma influência e/ou ligação do duplo etérico no passe?(tanto para o passista quanto para a pessoa que toma o passe). Alguns estudiosos afirmam que existe um eixo que relaciona o corpo humamo e o duplo etérico! Caso esse eixo esteja deslocado (e caso exista realmente) pode um passe restabelecer o seu correto posicionamento?
Jacob_Melo - Positivo! E, normalmente, a técnica que desempenha essa função é a dispersiva.
Por exemplo: após entrevista realizada no Centro, foi indicado que o entrevistado tomasse passes (3 passes - sendo um por semana, sempre no mesmo dia -) com os Mentores da Casa. Quais os principais fatores que determinam essa necessidade?
Jacob_Melo - A questão quantitativa que, normalmente, surge nas consultas espíritas, são indicativas e não determinantes. O cuidado de se tomar um passe semanalmente está relacionado a uma observação prática dos efeitos dos fluidos que dificilmente mantém-se por um período maior que 1 semana. Por outro lado a recomendação de ser sempre com o mesmo mentor, nem sempre indica uma medida absoluta. Na verdade, acredito que a indicação esteja predispondo o paciente a um tratamento mais regular, coisa que não seria tão viável sem recomendações que tais.

As pessoas portadoras de doenças coronárias, devem dosar a quantidade de passes a tomar? Qual a média ideal?
Jacob_Melo - Os coronarianos são pacientes delicados. Os passistas que se aventurem a tratar dessa área do corpo, devem ter bastante conhecimento das técnicas e de seus efeitos. Como cada caso é um caso, não existe uma média ideal, existe sim uma necessidade de uma maior e melhor observação e acompanhamento.

Os encarnados com defeitos congênitos (os mudos, por exemplo) tem o chakra laríngeo funcionando identicamente ao de um encarnado sem o mesmo defeito? Qual seria a diferença entre os dois chakras?
Jacob_Melo - Honestamente, não sei. Estudarei futuramente.

Gostaria de saber por que (sendo uma pessoa com problemas cardíacos) após o passe, sinto-me tonta!
Jacob_Melo - Provavelmente, estará havendo algum tipo de concentração magnética, ou então, o(s) passista(s) não têm providenciado a necessária rearmonização geral dos campos vitais (chakras). Esta rearmonização também é procedida por técnicas dispersivas.

Poderia dizer a média desses tempos relativo a pergunta anterior?
Jacob_Melo - Cada caso é um caso. Na prática, e nas experiências que realizamos no GEAK, há uma variação de um mínimo de 5 semanas a um máximo de 20. Isto em termos de passes magnéticos.

A água fluidificada ou energizada, substitui o passe?
Jacob_Melo - Não, ela complementa.

Tenho dúvida no caso da personagem Ismália, do livro de André Luiz , em "Os Mensageiros", no capítulo 22 a 25, André retrata espíritos que estão em um estado de sono profundo, num estado de catalepsia numa sessão. Para "despertar" esses espíritos, foram aplicados passes neles e depois Ismália começa a fazer uma prece onde ocorrências luminosas acontecem junto a essa prece.. gostaria de saber até que ponto a prece e o passe estão correlacionados.
Jacob_Melo - Intimamente relacionados, principalmente no caso dos passes espirituais. Em nosso livro, quando apresentamos as definições de passe lembramos Kardec quando afirma que a prece é uma magnetização espiritual.

Alguém doente, pediu a Pedro que o curasse, ele Pedro disse: "Não tenho ouro nem prata, mas o que tenho lhe dou". Vemos que amor opera milagres. Não estaremos perdendo um pouco da simplicidade, em função do formalismo , na prática do bem? Às vezes nos preocupamos , tanto com a forma , e esquecemos de vibrar amor, àquele que está a nossa frente. Vemos que Cristo operou milagres com simplicidade, somente o amor as criaturas.
Jacob_Melo - O amor é básico e fundamental para tudo, não poderia ser diferente no caso do passe. Apenas acrescentaria que a simplicidade dos "milagres" do Cristo, nem sempre foram tão simples assim; Ele curou impondo mãos, falando, com o olhar, passando saliva, tocando, sendo tocado, baseando-se na fé do paciente ou do solicitante, etc. E é que Ele era e é a personificação do amor, logo, nós que somos tão frágeis, também podemos e devemos estudar para fazer e aplicar melhor.

Considerações finais do Palestrante:
Jacob_Melo - Agradeço a oportunidade que tive de participar deste excelente papo eletrônico e peço desculpas por não ter, nas respostas, me referido nominalmente às pessoas. Por favor, creditem isso à ânsia de querer aproveitar o tempo o melhor possível. Mas a todos desejo, de coração, muito amor, paz, harmonia e bons e profícuos estudos. Deus os abençõe e obrigado!
Postar um comentário