Seja Bem Vindo ao Estudo do Magnetismo

Você que acompanha nosso Blog e gosta das matérias aqui postadas, seja um seguidor cadastro esta ao lado da matéria, no ícone "Participar deste site". Grato! a todos.

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Magnetização Espiritual será coisa mágica ou maravilhosa?


Magnetização Espiritual será coisa mágica ou maravilhosa?
Ana Vargas / RS
Desde que me interessei pelo estudo do passe e do Magnetismo ouço que existem três formas de magnetização: a humana, a espiritual e a mista. Dentre as muitas dúvidas nessa área, destaco uma: como se faz magnetização espiritual?
Há alguns dias convidaram-me para um evento comemorativo em uma instituição espírita, aqui no sul. Tudo ia muito bem até o término, quando a pessoa que dirigia, após a palestra, fez a seguinte declaração:  “Hoje, em virtude de um evento especial, a sessão de fluidoterapia será espiritual. Desejo que os senhores retornem aos seus lares em paz e muito obrigado pela presença de todos.”
Pisquei os olhos um pouco chocada, confesso. Por que me deu a impressão de que magnetização espiritual, no entendimento daquela pessoa, era sinônimo de não fazer nada e que as exigências comuns que se fazem para uma magnetização mista, são desnecessárias à espiritualidade.
Imaginei o trabalho que os espíritos teriam: sairiam correndo atrás de cada uma das cento e poucas pessoas presentes; na melhor das hipóteses, aplicariam passes pelas calçadas da cidade ou em automóveis com as pessoas, obviamente, na melhor das condições de assimilarem as energias, alguns fumando, outros brigando no trânsito, alguns debatendo o tema da palestra, enfim, mil coisas poderiam envolver aquelas pessoas.
Outra: será que a espiritualidade havia sido previamente avisada e assim teriam tido tempo de informar-se sobre as necessidades daquelas pessoas? Fosse como fosse, deduzi que o esforço deve ter sido grande. Fiquei pensando e buscando na memória algum referencial teórico para aquela situação. Não recordei ter encontrado relatos na literatura de fato semelhante. Já li diversos casos de atendimento magnético realizado pela espiritualidade, especialmente nas obras de André Luiz, e, aliás, eles são frequentes em toda literatura mediúnica. Porém, realizados em residências, em hospitais, sempre em situações que os espíritos que as executam são conhecedores das necessidades de seus assistidos. Se alguém já leu um caso de magnetização espiritual sério feito no modelo que presenciei, por favor, me avise e indique a obra, desde já agradeço.
Como de todo episódio se deve extrair uma lição, fui à busca de maiores e seguros detalhes sobre a prática da magnetização espiritual. Busquei Kardec e encontrei na Revista Espírita de 1865, interessante estudo intitulado “Cura de uma fratura pela magnetização espiritual”.  Recomendo leitura integral, é muito rico. Mas lá encontrei algumas coisinhas deveras interessantes, a saber: não foi nada milagroso; o espírito dominava conhecimento da medicina, tinha sido médico quando encarnado, e era conhecido da médium; indicou-lhe faixas e a colocação de um aparelho, depois realizou a magnetização espiritual, indicou repouso e deu orientações para que no dia seguinte se reunissem vários adeptos (entenda-se espíritas magnetizadores); um médium magnetizador colocou a enferma em estado sonambúlico e então o espírito do Dr. Demeure prosseguiu o atendimento; os assistentes presenciaram movimentos espontâneos do membro fraturado “quando se viu esse membro tomar insensivelmente, sob influência da atração magnética espiritual, diversas posições próprias para facilitar a redução da fratura. Parecia ser, então, o objeto de toques inteligentes, sobretudo no ponto onde deveria se efetuar a soldadura dos ossos; alongando-se em seguida sob a ação de trações longitudinais”. Após a magnetização, foi recomendada a recolocação das tiras e do aparelho. A enferma durante o trabalho, em estado sonambúlico, murmurava: “Não aperteis tão forte!... Vós me fazeis mal!” Ela se dirigia ao espírito que a atendia e reclamava de dor.
O texto esclarece que o magnetizador encarnado durante o trabalho parecia inativo, sua mão direita, apoiava-se sobre a espádua da sonâmbula, contribuía com sua parte no fenômeno, pela emissão de fluidos necessários à sua realização.
A enferma teve uma recaída, havendo deslocado a fratura em decorrência de má posição durante o sono comum. Foi acometida de febre. Nova reunião foi realizada, formaram uma cadeia magnética, a pedido dos Espíritos. Já sabemos que essa era uma prática comum dos magnetizadores contemporâneos de Kardec, a qual consistia na reunião de vários magnetizadores em torno do atendido, todos colaborando com a doação de energia, daí alguns usarem a expressão  corrente magnética.  Depois de vários passes e manifestações semelhantes à anterior o braço foi recolocado no lugar, não sem que a enferma suportasse sua cota de dor necessária.
Foram realizadas magnetizações espirituais nos moldes relatados em dias sucessivos. Aproximadamente em oito dias a fratura estava curada. Narra que na última sessão de magnetização espiritual, feita nos moldes acima, “ela tentou suas forças de mil modos; apresentando seu braço aos assistentes, fazendo os tocar as cicatrizes da soldadura dos ossos; ela lhes apertava a mão com força, anunciando-lhes com alegria a sua cura operada pelos bons Espíritos. Em seu despertar, vendo-se livre em todos seus movimentos, ela desmaiou, dominada por sua profunda emoção!...”
A explicação do fenômeno é breve e objetiva explicar o procedimento ordinário de magnetização realizado por um encarnado e comenta: “O Espírito não age de outro modo; sua ação fluídica se transmite de perispírito a perispírito, e deste para o corpo material. O estado de sonambulismo facilita consideravelmente essa ação, em consequência do desligamento perispiritual, que se identifica melhor com a natureza fluídica do Espírito, e sofre então a influência espiritual  elevada à sua maior força”.
Lido o texto da Revista Espírita de 1865, minhas dúvidas foram sanadas. Realmente, o mágico, o maravilhoso, o sobrenatural ainda dominam o pensamento de muitas pessoas. Não foi sem motivo que Kardec dedicou tantos capítulos em suas obras a combater essas ideias.
Jornal Vórtice ANO III, n.º 04, setembro/2010    
Postar um comentário