Seja Bem Vindo ao Estudo do Magnetismo

Você que acompanha nosso Blog e gosta das matérias aqui postadas, seja um seguidor cadastro esta ao lado da matéria, no ícone "Participar deste site". Grato! a todos.

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

As Curas de Jesus


As Curas de Jesus
Claudio C. Conti (Doutor em engenharia nuclear e expositor espírita RJ)
Tecer qualquer comentário sobre os atos  de Jesus não é simples, pois seu conhecimento está muito além do que possamos imaginar, portanto, estamos longe de compreender os motivos e processos. Desta forma, o conteúdo deste texto não pretende explicar como Jesus realizava as curas, mas apresentar uma análise com o conhecimento atual.
Tomemos como exemplo os relatos de três curas descritas no livro A Gênese (1) da Codificação Espírita:
11)      Perda de sangue: Uma mulher sofria de hemorragia e tocou a roupa de Jesus sem que ele visse, porém ele percebeu uma diferença distinta daquele toque em meio à multidão.
22)      O cego de Betsaida: Jesus colocou saliva nos olhos de um cego de nascença e, depois aplicou a imposição das mãos. Necessitou repetir o procedimento.
33)      Paralítico:  Jesus disse ao paralítico “Levanta-te e anda!” e assim ele o fez.
No primeiro caso, Jesus não pode ter “impregnado” o fluido com qualidades especificas, pelo simples fato de ele não saber quem o tocou; no segundo, Jesus necessitou de uma ação local e outra no ser como um todo e, no terceiro, precisou apenas verbalizar o comando.
Percebemos claramente que o procedimento não é o mesmo, conclui-se, então, que  a cura utilizando fluidos é mais complexa do que a mera administração de um “medicamento”.
Nesta abordagem, podemos creditar certa “inteligência” ao fluido no sentido deste atuar diferentemente: em algumas situações teria condições de reconhecer como agir; noutros casos teria ação local e, noutros, ainda, ação geral.
Diante das curas realizadas por Jesus, em que sempre afirmava que a fé do paciente é que o havia curado, devemos nos perguntar o quanto é ação do médium, passista ou curador, e quanto é ação do paciente? E, ainda, mais profundamente, o quanto é ação das próprias células?
A ciência atual nos proporciona meios de compreender melhor os processos envolvidos na ação dos fluidos. Os biofótons se caracterizam por radiação eletromagnética emitida por organismos vivos. Todavia, seu conceito vai pouco mais além, podendo ser compreendido como um processo de comunicação celular, carregando consigo informação que regularia o comportamento e a reação  entre as células (2).
Acreditamos, todavia, que a parte perceptível seja apenas a “ponta do iceberg”, isto é, os biofótons seriam decorrente de processos variados, essenciais e imperceptíveis aos sistemas de detecção disponíveis.
O avanço do conhecimento está proporcionando outra forma de compreender os efeitos e comportamento dos fluidos – a nanotecnologia, que desenvolve partículas e robôs extremamente pequenos, na faixa de um milhão de vezes menor que o milímetro. A Nanomedicina (3) visa sua utilização para diagnosticar e tratar doenças de forma “inteligente”, capaz de aplicar o medicamento exatamente no local necessário, sendo mais efetivo e, ao mesmo tempo, minimizando efeitos colaterais. Vários testes já estão sendo realizados em humanos com resultados satisfatórios.
Apesar dos processos de cura e os efeitos dos fluidos serem mais complexos e mais autônomos do que possa parecer inicialmente, o tratamento com esta terapia se torna mais fácil para o médium e para o próprio paciente. Há, portanto, a necessidade de se reavaliarem as práticas de passe, pois a saúde é mais natural para o espírito que a doença.
Em decorrência do que foi apresentado, podemos supor que são as desarmonias geradas ao longo de várias encarnações, devido a comportamento e mente em desalinho, o motivo pelo qual tantas doenças se manifestam no seio da humanidade. Diante disto podemos compreender o porquê de Jesus, após viabilizar a cura do enfermo, dizer: “vá e não peques mais”.
Referências:
(1)    Kardec, Allan. A gênese – Os milagres e as predições segundo o Espiritismo. Tradução Guillon Ribeiro. 36 Ed. Rio de Janeiro: FEB, 1995 P. 316-318.
(2)    Melsert, Rafael. Biofótons na Interação Entre o Espírito e o Corpo Físico.Revista Cultura Espírita. Ano IV, n. 34, p. 16 jan. 2012 (Veja está máteria neste blog).
(3)    Wang, Yucai; Brawn, Paige; XIA Younan. Nanomedicine : swarming towards the target. Nature Materials 10, 2011, p. 482-483.
 r e v i s t a Cultura Espírita – Nº 45 – ANO IV  - Dezembro 2012 
Postar um comentário