Seja Bem Vindo ao Estudo do Magnetismo

Você que acompanha nosso Blog e gosta das matérias aqui postadas, seja um seguidor cadastro esta ao lado da matéria, no ícone "Participar deste site". Grato! a todos.

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

DA DURAÇÃO DO TRATAMENTO MAGNÉTICO CAPÍTULO X


DA DURAÇÃO DO TRATAMENTO MAGNÉTICO CAPÍTULO X
TRADUÇÃO DE LIZARBE GOMES
É necessário distinguir entre um tratamento magnético e uma magnetização acidental e passageira.
Para curar uma doença é preciso tempo; é neste caso que se torna necessário um tratamento regular e não interrompido.
A duração de um tratamento varia segundo o estado do doente e o gênero de sua afecção; como as doenças diferem em cada indivíduo, é quase impossível determinar um tempo.
A experiência demonstra que algumas doenças se curam em oito dias, em quinze dias, em um, dois e três meses e outras em seis meses ou mesmo além disso.
Ocorre ainda, quando se começa a não ter mais confiança, a ação tornar-se mais sensível, a doença se atenuar e a cura acontecer.
Não seria demais repetir: se o magnetismo nem sempre produzir efeitos sensíveis e aparentes, não é preciso se desencorajar tão rápido.
CAPÍTULO XI
DO PERIGO DE COMEÇAR UM TRATAMENTO SEM ESPERANÇA DE CONCLUÍ-LO
§ I: Perigos resultantes do deslocamento de humores
Jussieu, tendo reconhecido ao magnetismo o poder de operar desvios salutares diz, em seu relatório ao Rei: “Deslocar-se-ia assim um humor que não teria tido tempo de se fixar, restabelecerse-ia muitas vezes o calor, a vida e o movimento nos membros recentemente paralisados.”
(Relatório ao Rei, pág. 38)
O deslocamento dos humores é, com efeito, um dos resultados mais freqüentes da magnetização e eu vou, entre milhares de provas, citar uma:
“Todo  magnetizador que não tenha nem a possibilidade nem a vontade de ocupar-se bastante com o lazer para bem conduzir um tratamento magnético não deve empreendê-lo diz Puységur, pois após um doente experimentar os bons e salutares efeitos da ação magnética, a cessação muito súbita desta ação a torna prejudicial e os fatos seguintes provam isto.
Um jovem afetado pela surdez veio me procurar em Busancy e o cura de Joli que foi mais surdo que ele, o encorajou a vir tentar o mesmo remédio que ele; este jovem não era sonâmbulo. O efeito que ele sentia era uma dor na cabeça e um zumbido nos ouvidos. Pouco a pouco sua dor de cabeça aumentou e ele tinha por vezes o ar hebetado.
Eu tinha então doentes sonâmbulas e eu o apresentei a uma delas: - Faz-se um grande trabalho em sua cabeça – me disse a sonâmbula – ele terá um mal a suportar.
- O que lhe acontecerá então?
- Ele se tornará louco e se você não tomar cuidado, ele partirá num belo dia sem que você saiba e você não o verá mais.
- E o que lhe causará este cruel acidente?
- O humor que se desloca em sua cabeça e que desejaria sair. Se continuar o magnetismo, pouco a pouco ele sairá por seu nariz e suas orelhas, mas ele é bem grande!
- E ele se curará?
- Sim, mas precisará de tempo.
Uma vez bem advertido, eu tomei todos os tipos de precauções para que meu doente não pudesse se escapar, sobretudo à noite; eu o via às vezes com o ar perturbado. Ao fim de um mês ele teve um escorrimento nos ouvidos e começou a ouvir bem melhor.
Mas o que me haviam anunciado aconteceu. Um dia vieram me dizer que meu surdo havia destrancado sua janelas e com a ajuda de uma corda saiu de seu quarto sem que eu soubesse onde pudesse estar. Eu escrevi a Dormans, onde seu pai tinha um albergue e soube que no dia de sua partida de Busancy ele disse que estava curado, pois havia entendido bem a todos aqueles que vieram lhe procurar naquele dia. Soube que este bem estar não havia durado muito tempo e que no dia seguinte a surdez havia retornado, levemente de início, até que, por fim, ela havia -  no momento em que me escrevia - retornado tão forte quanto antes de ser magnetizado.
Oito dias depois, o pobre rapaz veio me ver; ele não se lembrava nem de sua partida de Busancy, nem de sua viagem para casa e de nada que lhe aconteceu. Eu tentei, porque ele me pediu, recolocar uma segunda vez os humores de sua cabeça em movimento, mas foi em vão; como o  trabalho da  natureza  foi interrompido , o malretomou a vantagem e nenhuma força magnética  pode de novo deslocá-los.
Estes dois exemplos, acrescenta Puységur, tão instrutivos tanto para os magnetizadores como para os doentes, devem ensinar aos primeiros a jamais empreender tratamentos magnéticos sem estar bem seguros de sua continuidade... se nada é mais soberanamente e vitoriosamente curativo que o agente da natureza posto em ação por uma boa e constante vontade, nada é mais perigoso que suspendê-la ou cessar seu movimento quando seus bons efeitos se manifestam.” (Puységur, Pesquisas Psicológicas, 388 a 390).
§II – Perigos resultantes da provocação de germes mórbidos não seguida de desenvolvimento Joli, um dos doentes de Puységur, escreveu um dia, em estado de sonambulismo a seu magnetizador: “O magnetismo animal acaba de provocar em mim uma doença a qual chamam de catalepsia, que viria em seis meses da qual eu seria morto, mas talvez não morrerei a tendo atualmente; então é uma grande vantagem para mim dizer que morrerei talvez  em lugar de morrerei  certamente; estou convencido de que não é o grande número de crises nas quais eu entrei que precipitaram esta doença  da qual, eu espero, contudo, ter um resultado favorável.
Eu acredito, diz a este respeito Puységur, que não há circunstância em que não se deva esperar bons efeitos do magnetismo; mas quando os doentes são suscetíveis de entrar no estado magnético, talvez seja perigoso cessá-lo tão cedo porque o magnetismo, tendendo a desenvolver o germe das próximas doenças, um efeito começado e não sustentado pode contrariar a natureza sem acrescentar a seus recursos.” (Puységur, Memórias)
Jornal Vórtice ANO III, n.º 04, setembro/2010   
Postar um comentário