Seja Bem Vindo ao Estudo do Magnetismo

Você que acompanha nosso Blog e gosta das matérias aqui postadas, seja um seguidor cadastro esta ao lado da matéria, no ícone "Participar deste site". Grato! a todos.

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

O magnetismo fator de desenvolvimento pessoal



A prática regular do magnetismo desenvolve consideravelmente o domínio de si, a vontade, a calma interior e exterior, a segurança natural, etc... Antes de vos indicar alguns exercícios que vos permitirão aumentar essas qualidades, em capacidade e em sutilezas, comeceis por aprender a recuperar a energia vital. Seguramente, nada substitui, do ponto de vista da potência magnética, a recarga dos plexos, tal como foi descrito no começo desta obra.
Entretanto, se tendes a impossibilidade de efetuar esses exercícios de recarga, ao menos uma vez por ano, o controle do vosso ritmo respiratório, vos permitirá "apanhar" novas energias. Para fazer os exercícios que segue, selecionai um lugar com plantações de árvores (pomar, ou mesmo jardim público). As árvores não são somente "máquinas de fabricação de oxigênio; elemento tão essencial à vida; mas também intermediárias precisamente do oxigênio de grandes catalisadores de energia cósmica, e, portanto do fluido magnético universal. Daí, o interesse primordial de um bom ritmo respiratório para o praticante...
O ritmo respiratório completo compreende quatro fases:
1) A inspiração
2) A retenção do ar, pulmões cheios
3) A expiração e
4) A retenção de pulmões vazios.
Segundo a duração de cada uma dessas fases, o fluxo de fluido magnético (e do oxigênio) que penetra no organismo será equilibrado ou recarregado. Ele é equilibrado quando a conservação dos pulmões cheios e a conservação dos pulmões vazios são de igual duração; ele é recarregado quando o tempo de retenção dos pulmões cheios é superior ao tempo de retenção dos pulmões vazios.
Na prática, e para iniciar, adotar o compasso
seguinte:
inspiração (exclusivamente pelo nariz, como em todas outras fases): cerca de 3a 4 segundos; - retenção dos pulmões cheios: 3 a 4 segundos, para obter uma inspiração equilibrada; 6 a 7 segundos, para uma respiração recarregadora; expiração: 6 segundos para reequilíbrio, 3 segundos para a recarga magnética; - retenção dos pulmões vazios: 3 segundos. Esses períodos não vos são dados senão a título de identificação. É preciso os adaptar à vossa própria capacidade (os aumentar ou os diminuir), vigiando essencialmente para não forçar. Na medida em que aumenta o treinamento, é aconselhável aumentar muito progressivamente (por saltos de 1 a 2 segundos ao máximo) os períodos de retenção dos pulmões cheios e de expiração (as duas outras fases ficam quase constantes).
Pode-se ainda aumentar consideravelmente a eficácia deste método respiratório, da seguinte maneira: trata-se de visualizar mentalmente o caminho do ar carregado de oxigênio e de fluido magnético.
Ficando sentado com as pernas dobradas e os joelhos separados, deixar os braços tombar “molemente” ao longo do corpo, mãos abertas e palmas dirigidas para o alto.
Eviteis qualquer tensão muscular.
Quando vós inspireis, os olhos semicerrados, imagineis o ar que está em vias de encher os pulmões.
Quando eles estão cheios visualizai mentalmente o fluido magnético que se distribui a partir dos pulmões, por todo o corpo, dirigindo-se de preferência em direção aos plexos. No momento que começa a expiração, concentrai vossa visão interior sobre um ponto situado de baixo ao esterno, como se tivesse uma bomba recalcando o ar do qual tendes retido os elementos revigorantes (oxigênio e fluido) e que carregastes de elementos viciados. No momento de retenção dos pulmões vazios, pensai fortemente que tendes expulsado todos os dejetos orgânicos, depois através de outro esforço do pensamento, imaginai que o oxigênio e o fluido magnético universal está em vias de se concentrar a vossa volta... A nova inspiração que segue responderá então a um verdadeiro "apetite de ar e de fluidos". Para obter resultados satisfatórios, é necessário consagrar todos os dias uma sessão de dez minutos, se possível ao acordar e em jejum.
Este exercício, aparentemente inofensivo, é um dos melhores que conhecemos para guardar um bom equilíbrio físico, psíquico e magnético. Se os apliqueis assíduamente, podereis desenvolver numerosas faculdades intelectuais e morais que contribuem ao desenvolvimento pessoal e ao bom êxito.
                                                        Barão du Potet
Postar um comentário